Com o intuito de incluir o uso da bicicleta no debate político em Aracaju, a ONG Associação Ciclo Urbano realizou uma pesquisa junto aos ciclistas para identificar as prioridades elencadas pelos cidadãos de Aracaju (ciclistas ou não).

De 25 de junho a 20 de julho de 2012, a Associação Ciclo Urbano realizou a “Pesquisa: ciclistas e as eleições de Aracaju”, com objetivo de promover a discussão sobre o tema durante as eleições e garantir o compromisso dos candidatos a prefeito e vereador com a melhoria das condições dos ciclistas. Uma pesquisa foi feita na internet, utilizando a plataforma Google Docs, e foi baseada na iniciativa da Associação de Ciclistas em São Paulo.

Duzentas e trinta e nove pessoas, de 28 bairros de Aracaju, além das cidades de Barra dos Coqueiros, Nossa Senhora do Socorro e São Cristóvão, com idades entre 14 e 66 anos, participaram da pesquisa. Dos participantes, foram 77,8% homens e 22,2% mulheres. Dezessete por cento usam a bicicleta diariamente, 70% usam esporadicamente e 13% não usam a bicicleta.

Dentre as principais reivindicações, estão a boa formação de ciclistas e motoristas, além de ações educativas e de fiscalização entre todos os atores do trânsito (pedestres, ciclistas, motoristas e motoristas profissionais) para melhor convivência e segurança.

Ações de infraestrutura também apareceram no topo das reivindicações. Manutenção e conservação de ciclovias e estacionamento adequado (bicicletários e paraciclos) em espaços públicos e privados de grande circulação de pessoas foram alguns dos itens.

Depois da consulta realizada pela internet e de um encontro presencial de discussão com a sociedade, a Associação Ciclo Urbano concluiu uma “Carta de compromisso com a mobilidade por bicicletas”, que foi oferecida aos candidatos. A carta apresenta 10 pontos necessários para garantir a mobilidade por bicicletas na cidade.

Os candidatos foram convidados para uma pedalada pelas ruas da cidade, apresentação e discussão dos compromissos propostos pelos ciclistas, a assinatura do documento e a gravação de um depoimento em vídeo sobre suas propostas para a mobilidade.

Candidatos comprometidos com a mobilidade por bicicletas: Aguardando resposta do candidatos.

 

CARTA DE COMPROMISSO COM A MOBILIDADE POR BICICLETAS

 

O futuro prefeito ou prefeita de Aracaju assumirá, a partir de janeiro de 2013, uma cidade com graves problemas de mobilidade urbana e terá que enfrentar problemas já comuns a outra capitais maiores e mais populosas. Ocupando uma área de 181,8 Km², Aracaju conta atualmente com uma população de 571.149 habitantes e com uma densidade demográfica de 3.140,67 hab/km² (IBGE 2010). Com uma frota que beira os 300 mil veículos, Aracaju tem uma média de um carro para cada três habitantes, sendo que a maioria dos veículos é de transporte individual.

O número de veículos, quando dividido pelo numero de habitantes, reflete uma situação grave, onde motoristas sofrem com a perda de tempo no trânsito; usuários de transporte público, com as péssimas condições e insuficiência de ônibus; e pedestres, com a falta de respeito e espaço para circular com segurança pela cidade. Juntos, todos sofremos com a poluição, a degradação dos ambientes de convivência e o aumento da agressividade nas ruas.

Atualmente, mais de 60 mil pessoas utilizam a bicicleta ao menos uma vez por semana na cidade de Aracaju. O número de usuários cotidianos e o número de viagens de bicicleta poderia ser bem maior se políticas públicas efetivas fossem cobradas pela população e o Poder Público Municipal realizasse ações que reduzissem as viagens motorizadas em detrimentos das não motorizadas.

Por todo o mundo, o uso da bicicleta vem sendo tratado como um importante indicador de qualidade de vida, havendo um consenso crescente entre técnicos, gestores e urbanistas sobre a necessidade de inclusão definitiva deste modal nas políticas urbanas. A bicicleta não é apenas mais verde e mais saudável, mas também mais eficiente, como já testado por cinco vezes em Aracaju, com o Desafio Intermodal. . Isso só será possível se houver um planejamento que coloque o ciclismo como prioridade.

No início deste ano de 2012, entrou em vigor a Política Nacional de Mobilidade Urbana que, entre outras diretrizes, indica a “prioridade dos modos de transportes não motorizados sobre os motorizados”, sugerindo aos gestores públicos atenção especial à mobilidade por bicicletas como alternativa para as cidades.

Aracaju ainda não conseguiu incluir a bicicleta de maneira efetiva nas políticas de transporte, contando com uma infraestrutura cicloviária insuficiente e com pouca utilidade para o ciclista urbano – atualmente, as ciclovias estão fragmentadas pela cidade, são incompletas ou possuem graves problemas de construção e manutenção.

A falta de continuidade dos projetos e ações, o descumprimento de prazos e o baixo investimento neste modal (quando levado em conta o que é gasto com o transporte de veículos automotores) colocam um número cada vez maior de pessoas que optam pela bicicleta em risco nas ruas da cidade.

A garantia de segurança para os atuais ciclistas, bem como o estímulo ao uso da bicicleta na cidade através do desenvolvimento efetivo de políticas cicloviárias, deve ser considerada a parte importante da plataforma dos próximos governantes, não apenas porque o uso de bicicletas na cidade resulta em melhor qualidade de vida para toda a população, mas também porque a insistência na priorização do modelo rodoviarista ou carrocrata, baseado no transporte individual motorizado (carros e motos), tem apresentado resultados cada vez mais desastrosos em termos de mobilidade urbana, poluição, mortes e degradação da cidade.

Acreditamos que a busca por um padrão de locomoção mais eficiente, menos poluente e violento tem que ser o norte de qualquer projeto de mobilidade. Isso quer dizer que, de acordo com a realidade de Aracaju, a bicicleta deve sim ser incluída no planejamento viário. É possível, gradualmente, aumentar a participação da bicicleta no transporte, o que traz impactos positivos na mobilidade, meio ambiente e saúde das pessoas.

Para atender a essa demanda crescente, Aracaju precisa de um gestor disposto a investir efetivamente na mobilidade por bicicletas, oferecendo condições para o desenvolvimento deste modal, construindo estacionamentos seguros para bicicletas (bicicletários e paraciclos) em órgãos públicos e estabelecimentos privados com grande circulação de pessoas e realizando ações em todas as regiões da cidade.

Apresentamos aqui um conjunto de propostas que deverão nortear o trabalho de gestores comprometidos com a melhoria da qualidade de vida desta cidade e com a necessidade de transformar o modelo de mobilidade urbana em Aracaju:

1) Desenhar um plano cicloviário para toda a cidade, baseado em estudos e pesquisas, criando uma rede de ciclovias, ciclofaixas e rotas de bicicleta que garantam deslocamentos seguros e confortáveis aos cidadãos. Executar o plano de acordo com os prazos anunciados para projetos e obras.

2) Promover a participação da sociedade civil, implantando o Comitê Consultivo de Transportes do Município de Aracaju, garantindo o acesso fácil à informação e estabelecendo mecanismos efetivos de diálogo formal com a sociedade sobre programas, projetos e ações de interesse dos ciclistas e transporte publico.

3) Promover a conservação e manutenção periódica das ciclovias já existentes na cidade de Aracaju, através de um cronograma que deverá ser publicado na primeira semana de cada mês, no site do órgão competente pela tarefa.

4) “Acalmar” o trânsito, com adoção do limite de velocidade de 50km/h em avenidas, e criação de “zonas 30km/h” dentro dos bairros e instalação de dispositivos como rotatórias, faixas de pedestre elevadas, sinalização horizontal e outros.

5) Garantir a travessia segura de pedestres e ciclistas em todas as pontes dos rios Sergipe e Poxim e suas alças de acesso, com a construção de calçadas, faixas de pedestres e ciclovias ou de pontes específicas para esses.

6) Desenvolver e implementar um Plano Diretor que estimule a redução dos deslocamentos, garantindo a distribuição equilibrada de moradias, serviços, empregos, infraestrutura, equipamentos culturais e de lazer por toda a cidade. Restringir a ação da especulação imobiliária, permitindo a densificação sem que haja verticalização excessiva.

7) Desestimular o uso do automóvel, aumentando as restrições de circulação e estacionamento em via pública, ampliando calçadas e calçadões e dando prioridade absoluta aos investimentos no transporte coletivo e na mobilidade de pedestres e ciclistas.

8) Desenvolver campanhas e programas permanentes de educação para todos que participam do trânsito, privilegiando o deslocamento seguro de pedestres e ciclistas. Intensificar a fiscalização dos comportamentos que colocam em risco a vida e ampliar as ações para locais e horários que hoje não têm fiscalização (noites, regiões periféricas e interior dos bairros).

9) Melhorar a convivência dos serviços de transporte público sobre quatro rodas (ônibus e táxis) com as bicicletas, implantando programas de educação e reciclagem permanente de todos os condutores. Garantir condições adequadas de trabalho aos motoristas, privilegiando a direção segura em detrimento da pressa.

10) Estímulo e promoção da cultura ciclística. Ações educativas e de estímulo ao uso de bicicletas, orientação, por meio de palestras e vivências, de trabalhadores da área de trânsito e transporte, criação ou ampliação da prestação de serviços com bicicletas (rondas da Guarda Civil Metropolitana, transporte de documentos, etc), implantação de pontos de atendimento ao ciclista – banheiros, bebedouros, oficinas, vestiários e veiculação de publicidade promovendo o respeito ao ciclista e incentivando o uso de bicicleta para pequenos deslocamentos.

Eu, ______________________________________________, candidato (a) ao cargo de prefeito (a) de Aracaju, afirmo que, caso seja eleito (a), cumprirei os itens acima, a fim de garantir a melhoria das condições de mobilidade e qualidade de vida na cidade de Aracaju.

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *