03set/18

Deficiências em ciclovias deixam ciclistas à mercê de veículos

Quem utiliza bicicleta em Aracaju como meio de transporte e precisa cruzar ciclovias como as das avenidas Heráclito Rollemberg e Tancredo Neves, sabe a quantidade de desafios que se têm pelo caminho. Piso deteriorado, obstáculos, interrupções na malha cicloviária, falta de sinalização entre tantos outros problemas. Num estudo recente do pesquisador Waldson Costa, Aracaju atinge somente a média 1.3 em ciclabilidade numa escala de 0 a 4. Nessas condições se encontram cerca de 15 mil ciclistas que diariamente circularam por Aracaju, segundo a ONG Ciclo Urbano.

Confira a reportagem completa no vídeo:

Fonte: Infonet

31ago/18

Feira de bicicletas promove troca consciente

A Bicifeira, organizada pela associação ciclo urbano, acontece neste sábado, 01, a partir das 15h30min, no parque dos cajueiros

Setembro é o mês em prol da mobilidade urbana. Se você possui peças, acessórios, artigos de bicicletas em condições de uso, habilidade mecânica e artística, a Bicifeira é o lugar certo para aguçar seu lado sustentável e solidário. O evento, promovido pela Associação Ciclo Urbano, está em sua segunda edição promovendo a troca consciente e acontece neste próximo sábado, 01, a partir das 15h30min, no Parque dos Cajueiros, especificamente na mandala localizada no espaço.

Sayuri Dantas
presidente da
Associação Ciclo
Urbano. Foto: arquivo pessoal

De acordo com a presidente da Ciclo Urbano, Sayuri Dantas, o objetivo da feira é criar um espaço de troca de peças e acessórios em condições de uso a preços justos. Segundo a presidente, a estimativa de público é de 200 pessoas. Sayuri relata a importância de promover o evento. “Muitos de nós sempre têm algum objeto para bicicletas que não usamos e que serve para alguém, como também sempre há alguém precisando de itens pra bicicletas e ou até uma bicicleta. A ideia da Bicifeira é estimular o conceito de economia solidária, criando um espaço para o desapego, cooperação e de valorização de serviços locais, criatividade, intercâmbio de saberes, ideias em torno do tema bicicleta”, declara.

CICLO URBANO

A Associação Ciclo Urbano completa onze anos de existência no próximo dia 22 de setembro. Há 120 associados que contribuem financeiramente com a Associação que tem por finalidade promover à utilização da bicicleta, como também o uso de outras formas de locomoção e transporte a propulsão humana, com integração ao transporte público motorizado, fiscalizando-o e propondo melhorias em sua qualidade e eficiência na cidade de Aracaju; “O papel é promover e defender a qualidade do uso da bicicleta como transporte e da mobilidade urbana a propulsão humana ou ativa”, destaca Sayuri Dantas.

COMPETÊNCIAS

A Associação age baseada em sólido conhecimento técnico-científico. Participa e promove programas de educação para difusão de conhecimento, de conscientização sobre os direitos e deveres do ciclista, motoristas e pedestres. Além disso, é comprometida com o fortalecimento e atua em parceria com os movimentos sociais e organizações não governamentais que trabalhem com objetivos similares.

O evento é aberto ao público. Foto: arquivo CINFORM/Arthur Leitefeira

TRABALHO

A Ciclo Urbano trabalha ativamente para que as soluções ou prioridades em termos de mobilidade urbana sustentável sejam adotadas, gerando produtos para audiências específicas e articulando ações de políticas públicas a partir dos resultados obtidos em seus projetos ou diagnósticos;

“Mantemos uma ampla base social, que inclui um quadro de afiliados, parceiros e doadores. É uma instituição ágil, que arrecada e administra seus recursos de forma eficaz e transparente”, pontua.

Fonte: Cinform 

07ago/18

SMTT e ONG Ciclo Urbano constroem parceria em estudo de ciclomobilidade

Na manhã desta sexta-feira, 3, diretores e técnicos da Superintendência Municipal de Transportes e Trânsito (SMTT) de Aracaju estiveram reunidos com representantes da ONG Ciclo Urbano para apresentação do índice de ciclomobilidade. O objetivo da ONG é mostrar o quanto a bicicleta é um meio de transporte amigo e pode representar uma melhoria na mobilidade dos cidadãos.

Na reunião foi apresentado o escopo para a elaboração de um plano de mobilidade para ciclistas, pedestres e veículos motorizados de baixa cilindrada para e inclusão no Plano Diretor de Mobilidade Urbana da capital. Foram apresentadas imagens, vídeos e dados estatísticos que servirão de análise para a gestão entender quais pontos serão focados no início do projeto.

O membro da ONG Ciclo Urbano, Waldson Costa, explica que a pesquisa vai ajudar na elaboração de um plano de mobilidade para ciclistas. “Estamos desenvolvendo um projeto com alguns parceiros para a criação de uma ciclorrota turística que vai ligar o bairro Atalaia até o centro da cidade. Assim as pessoas e os turistas não dependerão exclusivamente do carro ou ônibus para conhecer os pontos turísticos e chegarão com mais facilidade e rapidez”, disse Waldson.

Entre os presentes, o vice-presidente do Instituto de Arquitetos do Brasil, Magno Rangel, enalteceu o engajamento que os parceiros precisam ter nesta etapa inicial. “Estamos contando com os principais parceiros para que esta ideia de certo. Queremos que este piloto se inicie para que possamos garantir uma mobilidade melhor para os ciclistas de Aracaju”, disse.

Fonte: SMTT/Aracaju